Saúde e Odonto

Pequenas farmácias sobrevivem ao avanço das grandes redes com modelo inovador

Comumente se escuta que as pequenas empresas do varejo serão “engolidas” pelos grandes conglomerados varejistas, como são os casos das redes de supermercados e farmácias.

Contudo, um novo modelo de negócio que vem proliferando em todo o país prova que as pequenas farmácias não só podem disputar o mercado de igual para igual, como podem se destacar com números muito acima da média.

Esse modelo é o que vem sendo utilizados pelas farmácias das redes populares – Ultra Popular, Super Popular e Maxi Popular – da gerenciadora de rede de drogarias associativistas Farmarcas, possibilitando aos pequenos empresários se associarem e captarem ótimos resultados, por meio de compartilhamento de ferramentas modernas de gestão e de compras coletivas.

Mas o grande destaque se dá para o suporte na gestão, dado pelos chamados “anjos” – profissionais especializados que acompanham de perto o dia a dia da empresa e seus resultados. “Funciona como se as farmácias tivessem uma consultoria particular. No dia a dia do negócio, muitos administradores deixam passar decisões que são importantes para o resultado do negócio, mas os anjos estão atentos justamente para alertá-los”, explica o diretor operacional da Farmarcas, Ângelo Vieira.

Outro ponto relevante é a aposta em um modelo de farmácias com aparência atrativa, instalações práticas e preços competitivos, que é compartilhado e que faz as lojas das redes populares conquistarem um expressivo crescimento no mercado.

Somando todas as lojas dessas redes populares – Ultra Popular, Super Popular e Maxi Popular –, se obtém um índice de crescimento orgânico no faturamento de 83,44%, chegando ao montante de R$683.314.990,00; em 2015, o faturamento foi de R$372.500.855,00. Esses números resultam da soma do crescimento no número das lojas e do aumento do faturamento individual.

Um fato que se destaca é que, mesmo farmácias que já adotam há mais de três anos esse modelo popular obtiveram um grande crescimento, atingindo o índice de 20,38% apenas em dezembro. Esse dado é relevante, pois, geralmente, as empresas apresentam um crescimento maior logo após a mudança de modelo de trabalho; contudo, essas lojas apresentam um crescimento acima do mercado mesmo após a consolidação do modelo.

Em relação ao número de farmácias, as redes populares começaram 2016 com 255 lojas abertas em todo o país e terminaram atingindo a marca de 402 lojas. No entanto, o mais relevante é a conquista de mercados estratégicos que pareciam muito complexos pela distância geográfica, como é o caso de aberturas de lojas no Acre e no Pará.

Comentários

Newsletter



Facebook

Twitter

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Riscos Ambientais ganha pós-graduação - t.co/FpTKeWRpAc

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

CVG-SP promove almoço com SUSEP - t.co/zxkgQEPcEo

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Rádio CNseg: ´Entrevista Especial´ aborda a educação de crianças, adolescentes e jovens para um trânsito seguro - t.co/l7uaC2QAR5

To Top