Redação

Pioneirismo no Brasil: proteção digital gratuita aos clientes

 

Ataques cibernéticos abrem espaço para novos produtos

Por Tany Souza

De um ano para cá, o tema “proteção digital” está em evidência, porém as companhias seguradoras ainda falam muito de proteção para empresas, de sistemas de gestão. Essa foi a afirmação do diretor de marketing e produtos da unidade de negócios de Customer Engagement Solutions da Affinion, Alexandre Primo, durante encontro com a imprensa nesta quinta-feira ,16, em São Paulo.

Ele comenta que é justamente essa a diferença básica da parceria entre a Affinion e a Generali Seguros. “Estamos focados em pensar no cliente final, pois este é direcionado aos serviços digitais todos os dias, mas o que percebemos é que não está preparado para isso. A nossa preocupação é oferecer ao cliente final uma prevenção de ataques cibernéticos, uma assistência que já está inclusa no seguro do celular, sem cobrança adicional. A parceria é para os clientes da TIM e BMG”.

O Brasil é o terceiro do mundo em receber ataques cibernéticos e isso acontece por causa da utilização de Wi-Fi público e até mesmo do computador em casa. “A visão que a Generali teve com esta inovação, assumindo a posição de pioneirismo, cobre o risco do roubo, mas caso isso não ocorra, o segurado será protegido em seus dados”, explica César Medeiros, Country Head da unidade de Customer Engagement Solutions da Affinion no Brasil.

Segundo Conrado Gordon, diretor de produtos massificados da América Latina da Generali Seguros, um do pilares desta parceria é sair um pouco da linguagem do seguro, do mito de que só serve para evento negativo, “e colocar junto aos produtos da Generali cobertura que o segurado perceba o valor do seguro no dia a dia”.

Tecnologia na segurança de dados

Cesar Medeiros

Hoje, com 241 milhões de celulares no Brasil, o risco maior de ataque cibernético está nos usuários mais novos e mais velhos, segundo César Medeiros. “Os novos, por ser um mundo novo, clicam em qualquer item e baixam ferramentas. E os mais velhos são iniciantes também e podem não entender a linguagem tecnológica”.

A ferramenta usa uma tecnologia própria da Affinion e simples, que não necessariamente precisa de aplicativos, pois manda as informações via e-mail e SMS, “onde o usuário inclui os dados que quer ser monitorado, com vários campos, com proteção que se estende a família, como dados pessoais, cartões de crédito, débito”, explica Medeiros, que completa: “depois de adquirir o seguro e cadastrar os dados, o sistema faz a primeira vasculhada online que leva em torno de 48 horas, se encontrar alguma coisa, comunica onde está o risco, o grau de vulnerabilidade e orienta como deve proceder para solucionar a proteção”.

Segundo ele, a Affinion é uma empresa com PCI Compliance, ou seja, ela possui um certificado internacional de que é uma empresa segura para lidar e proteger dados. “Para reter de maneira segura os dados, esses são automaticamente criptografados. Além disso, o nosso software informa antes que os dados sejam roubados, avisando que as informações estão vulneráveis na internet. O que é importante para a seguradora, porque diminui a oportunidade de sinistro. É um produto preventivo”.

César Medeiros lembra que “a expectativa para 2018 é ter uma expansão das soluções que agregam esses serviços de proteção”.

Comentários

Newsletter



Facebook

Twitter

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

MBA a distância tem primeira turma confirmada na @EscolaDeSeguros - t.co/PuGfrhM7qy

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

18ª edição da Feijoada do CVG-RJ repete sucesso - t.co/pQjuCrUlZM

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

JLT promoveu uma ação solidária de Natal no Centro Assistencial Cruz de Malta t.co/sJoqhkljt2

To Top