Vida, Previdência e AP

Bolsa e títulos públicos derrubam a rentabilidade dos PGBL/VGBL

 

GuruPrev analisa a performance dos PGBL/VGBL até maio

O site GuruPrev divulgou os resultados sobre os planos PGBL/VGBL do mercado até o mês de maio. A base analisada tem 8.896 planos de previdência do mercado e mais de 1.200 fundos de investimentos atrelados a estes produtos.

Segundo o levantamento, a média de rentabilidade nos 5 primeiros meses de 2018 foi de 1,60%, o que representou 61% do CDI. No mesmo período no ano passado a rentabilidade foi de 97% do CDI.

No geral, apenas 5,1 % dos fundos associados a PGBL/VGBL renderam acima do CDI nos primeiros 5 meses do ano, no mesmo período do ano passado, 35,7 % dos fundos renderam acima do CDI. Esses fundos de investimentos terminaram o mês de maio com um patrimônio total de R$ 737 bilhões, distribuídos em modalidades de renda fixa, multimercados, balanceados e data-alvo.

Cerca de 88% do patrimônio dos fundos está concentrado em renda fixa. Esses fundos, até maio de 2017 haviam registrado um patrimônio total de R$ 646 bilhões.

Rentabilidade – Melhores vs. Piores

• Especificamente, no mês de maio, a rentabilidade média dos fundos PGBL/VGBL foi negativa em 1,64%. No ano, conforme já mencionado acima, o rendimento médio foi de 1,60% ou 61% do CDI.

• Os 120 melhores fundos (10% da base) do mês de maio renderam, em média, 0,48%, o que equivale a 92% do CDI. Os 120 piores tiveram rentabilidade média negativa, em média, de 5,8%.

• No ano, os melhores apresentam um ganho de 2,94%, o que significa 111% do CDI, enquanto que os piores perderam 0,40%, em média.
Outras informações interessantes obtidas pelo GuruPrev:

• Apenas 46% renderam acima do CDI em 24 meses, observando um período maior, 36 meses, somente 19% desses fundos superaram o CDI;

• No acumulado dos últimos 24 meses, na média, o rendimento foi de 105% do CDI. Vale ressaltar que apenas os fundos de Renda Fixa, na média, não ficaram acima do CDI, todos os outros (Balanceados > 30, balanceados até 15, balanceados 15-30, Data-alvo e Multimercados) renderam mais que o CDI;

• Houve uma recuperação razoável nesses 2 últimos anos, pois a rentabilidade média dos últimos 36 meses foi 92% do CDI;
Outras Curiosidades

• Separando os fundos por classificação Anbima, na média, todos os tipos registraram rentabilidade negativa no mês de maio de 2018;

• No mês a captação líquida caiu substancialmente quando comparada ao mês de maio/2017. A captação líquida no mês foi de R$ 612 milhões e de R$ 3,6 bilhões no mesmo mês do ano passado.

• Nos 5 primeiros meses do ano a captação líquida foi 44% menor do que a registrada no mesmo período do ano passado. Dos fundos analisados, até maio de 2017 foi registrada uma captação de R$ 19 bilhões, e neste ano foi de cerca de R$ 10 bilhões.

• Os fundos de Renda Fixa são os que mais vem sofrendo com a evasão de recursos. O saldo da captação subtraída dos resgates/portabilidades desses fundos foi negativo em mais de R$ 3 bilhões neste ano. O mês de maio foi responsável por mais da metade desse déficit, visto que a captação líquida do mês foi negativa em R$ 1,6 bilhão.

Comentários

Newsletter



Facebook

Instagram

Twitter

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Seguro e previdência às MPEs só devem ganhar força depois de 2019 - t.co/O6oAjH2sER

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

SC tem mais de 9,5 mil furtos e roubos de carros de janeiro a setembro de 2018 - t.co/3Fj503h3Oe

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Fenasaúde divulga estudo sobre desafios da saúde suplementar e levantamento de soluções - t.co/vwlacnl6aB

To Top