Redação

Quando o assunto é obra de arte inspeção técnica faz toda a diferença

 

Por Karin Fuchs

Com base em dados do Art Basel Report 2018, as vendas no mercado de obras totalizaram 63,7 bilhões de dólares no mundo inteiro, em 2017. “Este número representa valores tremendos em arte comercializada ao longo do ano, e com o contínuo relatório das vendas do block buster nos leilões, a participação recorde em feiras de arte e o forte interesse por arte, espera-se que a demanda cresça”, diz Cristiane Porto Rodrigues, Country Manager da operação da AXA Art no Brasil.

Ela comenta que com as histórias de danos causados a obras importantes que poderiam ter sido reduzidas ou evitadas com as informações certas, a AXA estruturou suas conversas globais sobre como proteger os investimentos dos clientes na coleta de arte e objetos valiosos e a oferecer conselhos aprimorados sobre todos os aspectos do cuidado com as coleções.

O risco mais comum, segundo a executiva, está durante o transporte da obra de arte. “Mas também há danos causados pela água, incêndios, desastres naturais e de acidentes de todos os tipos”.

Questionada sobre a taxa de sinistralidade, ela informa que “embora não reportemos números de índice de sinistralidade, podemos dizer que ela é tipicamente mais saudável do que a maioria das formas de seguro de propriedade”.

Inspeção

Diretor da Amaral d’Avila Engenharia de Avaliações, Celso Amaral esclarece como é feita a inspeção do local onde estão as obras de arte. “É preciso fazer a identificação do bem, seu cadastramento (projetos, memorial descritivo etc.), tipologia e uso, identificação das patologias e grau de risco e a elaboração do laudo técnico contendo os detalhes e localização do grau de risco das patologias”. Um processo similar à própria inspeção predial, embora sejam ativos distintos.

O importante é seguir as instruções normativas da ABNT e do IBAPE-SP. “A inspeção predial é um processo fundamental para a gestão das edificações, tendo em vista que é o único caminho seguro para que os gestores possam elaborar o Plano de Manutenção das Edificações e obras civis, portanto, as recomendações Normativas da ABNT e do IBAPE-SP devem ser seguidos na íntegra, para que os processos de inspeção atendam os preceitos normativos, a fim de manter o ‘desempenho’ da edificação o melhor possível”.

As Normas de Inspeção Predial de Edificações recomendam a realização de inspeções não só na estrutura da edificação, como pilares, vigas, lajes, mas também das instalações hidráulicas e elétricas, instalações de gases, qualidade das impermeabilizações, vedações etc.. “A estrutura de uma edificação pode estar em bom estado, porém, se a impermeabilização não estiver com bom desempenho, em médio prazo poderá causar danos estruturais relevantes. É importante que toda a edificação seja analisada”.

Para finalizar, Celso Amaral conta que os riscos mais frequentes são o aparecimento de fissuras, trincas, recalques, falhas com impermeabilizações e também a identificação de manutenções mal feitas ou inadequadas. “Uma edificação, um viaduto ou uma obra de arte devem ser mantidas adequadamente, a fim de apresentar o maior e melhor desempenho ao longo de sua vida útil”, conclui.

Comentários

Newsletter



Facebook

Instagram

Twitter

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Tokio 60 anos: todas as carteiras em pleno desenvolvimento t.co/jse1VG6yVE

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Grupo Bradesco Seguros realiza primeiro workshop para assessorias de seguros - t.co/zN43nsACnc

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Sicredi firma parceria com Tokio Marine e Liberty e amplia portfólio de seguro para automóveis - t.co/deZULJiQvY

To Top