Redação

Tragédia em Brumadinho – quais serão os impactos no mercado de seguros?

 

Releia matéria da Revista Cobertura sobre a atuação do mercado após o ocorrido em Mariana

Por Camila Alcova

ADRIANO MACHADO / REUTERS

Os impactos do rompimento da barragem da Vale na cidade de Brumadinho já começam a ser mensurados pelo mercado segurador. Conforme informações da coluna Broadcast, do Estadão, a mineradora tem apólices de seguros com a Chubb, Mapfre e Swiss Re, para os danos patrimoniais e lucros cessantes; com a Allianz, para o seguro de responsabilidade civil, além do resseguro, por meio da AGCS, pertencente ao grupo. Segundo a coluna, a Vale conta também com resseguro do IRB Brasil Re, e as corretoras são a Aon e Willis.

Os reflexos econômicos e ambientais podem levar algum tempo para serem calculados em sua totalidade. As ações da mineradora, por exemplo, caíram mais de 18% nesta segunda-feira, 28 de janeiro.

O alarmante é que um relatório da Agência Nacional de Águas (ANA), de novembro do ano passado, mostrou que pelo menos 45 barragens em todo o país foram consideradas vulneráveis e com risco de rompimento, sendo que a barragem da Mina do Feijão, rompida na última sexta-feira, 25, não constava na lista da agência.

O crime ambiental acontece apenas três anos após o ocorrido na cidade mineira de Mariana, quando o rompimento da barragem de Fundão fez 19 vítimas fatais e deixou um rastro de destruição ambiental no local.

O que se sabe até agora é que o acidente de Brumadinho foi menor em proporções de rejeitos espalhados, mas fez mais vítimas humanas e animais. Estima-se que o número de vítimas fatais seja de quase 400 pessoas, entre funcionários da Vale e moradores da região.

Em 2016, um ano após o acidente de Mariana, a Revista Cobertura divulgou uma matéria sobre os impactos do acidente e a atuação do mercado de seguros em sinistros desse tipo.

A matéria também mostrou o efeito dominó que acidentes como esses causam, tendo o Estado do Espírito Santo, que na época enfrentava graves problemas de violência e tumultos, como pano de fundo.

Leia a matéria: https://bit.ly/2Wq9MxR

Comentários

Newsletter



Facebook

Instagram

Twitter

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Confira a edição de março (207) da Revista Cobertura! Boa leitura! t.co/BDcMPOImeo t.co/sH3t56HOMI

Show Media
Tweet Media
Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Risco do empregador pode ser avaliado em qualquer tamanho de empresa - t.co/L9U2Uy7I8m

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

RC Produtos tem grande gama de sinistros - t.co/Wiz8YdzsPN

To Top