Clipp-Seg

Brexit sem acordo pode trazer complicações nos seguros

 

Fonte Renascença

“É possível que as apólices deixem de ser válidas”, avisa a Associação Portuguesa de Seguradores.

A Associação Portuguesa de Seguradores lançou esta sexta-feira um alerta para o impacto da saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo. Numa nota à comunicação social, são deixados conselhos aos segurados.

Foto: Niklas Hallen/EPA

O primeiro passo é verificar a seguradora contratada – não a origem, mas onde está baseada, porque a União Europeia (UE) permite que os produtos sejam adquiridos a empresas de outros Estados-membros.

“Os clientes que não têm certeza donde o seu segurador está baseado devem contactar o mesmo, para garantir que têm um seguro válido”, aconselham.

No caso de um Brexit sem acordo, “é possível que as apólices deixem de ser válidas e possa haver problemas com alguns serviços”, como a participação de um sinistro.

Os residentes do Reino Unido que subscreveram contratos com seguradoras da UE não devem ser afetados, MAS o contrário é possível, porque “nem todos os Estados-membros tomaram medidas” para garantir a continuidade das políticas existentes.

Seguro Automóvel

Atualmente, todos os Estados-membros aceitam os seguros automóveis dos restantes 27 e permitem a circulação. No entanto, “até à data, não foi celebrado qualquer acordo entre a UE e o Reino Unido no sentido de manter estes acordos”.

Num cenário de saída sem acordo, os veículos seguros no Reino Unido que pretendam circular na UE e os veículos da UE circular no Reino Unido podem vir a precisar de uma cobertura adicional e uma carta verde, mediante o pagamento de uma taxa. Os proprietários dos veículos devem contactar o respetivo segurador.

Seguro de saúde

O Cartão Europeu de Seguro de Doença, que dá acesso a cuidados de saúde em todos os Estados-membros em condições iguais às dos residentes locais não inclui o Reino Unido. Isto na eventualidade de um Brexit sem acordo.

Ou seja, os viajantes podem vir a ter de pagar o custo total dos cuidados de saúde.

Os residentes na UE com contratos de seguro de saúde privados, com cobertura no estrangeiro, “não serão, em princípio, afetados”.

Em qualquer caso, devem confirmar junto da seguradora. Quanto ao seguro de viagem, é necessário verificar se a cobertura abrange o Reino Unido.

Comentários

Newsletter



Facebook

Instagram

Twitter

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Prêmios Longevidade Bradesco Seguros trazem novidades em sua nona edição - t.co/3KlzZHTP16

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Mongeral Aegon cria área de Gestão da Inovação - t.co/yF5U4kbkBs

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

AXA anuncia novas posições na área Comercial - t.co/U0oafnZEkJ

To Top