Cobertura Especial

Executivos da Google e Microsoft apontam riscos emergentes durante InsureTech Connect 2019

 

Tecnologia e seguros caminham cada vez mais em sintonia, mas setor de seguros ainda é vagaroso para mudanças

Por Camila Alcova

Brian Warren, da Microsoft; e Loren Nickel, da Google, compartilharam experiências no InsureTech Connect 2019

Com as tendências tecnológicas é possível mensurar os riscos para o setor de seguros de maneira mais aprimorada. A tecnologia também colabora com a maneira como empresas prestadoras de tecnologia enxergam o mercado segurador. Exemplo disso esteve presente na Insuretech Connect 2019, com uma palestra que contou com profissionais da Microsoft e da Google, que compartilharam suas visões sobre tendências e desafios para os seguros.

Atualmente, toda empresa de tecnologia de grande porte está envolvida com o setor de seguros. As seguradoras, aliás, são responsáveis por grande parte dos investimentos nessas empresas.

Os palestrantes comentaram que as empresas ajudam as seguradoras a compreenderem seus riscos e dar suporte para esse gerenciamento, como também identificar os riscos emergentes, armazenamento de dados na nuvem e tendências para o mercado. Para isso, um fator importante é a formação atuarial desses profissionais de tecnologia.

O gerenciamento de riscos de seguros é um processo que cresce cada vez mais nas empresas de tecnologia, com especialistas em riscos cibernéticos, compliance e continuidade de negócios, por exemplo.

Entre os maiores riscos enxergados pelos especialistas, foram destacados os cibernéticos, que já que boa parte dos riscos está se transformando por conta desses fatores. Por isso, é necessário estudar sobre como é possível criar produtos que ajudem os clientes diante dessa transformação cibernética.

Seguros para propriedades, tecnologias de dados, insurtechs, plataformas internas, sistemas de medição também são assuntos atuais em termos de tecnologia e seguros.

Desafios

Os obstáculos na relação tecnologia x seguros atualmente acontecem porque o setor de seguros ainda é vagaroso em termos de mudanças em comparação ao setor de tecnologia, o que gera desconexão entre as soluções que podem ser oferecidas. Outro problema é a segurança cibernética, já que ainda faltam profissionais qualificados nesse tema.

A falta de diversidade no setor de seguros foi outro obstáculo mencionado, já que produtos e serviços que poderiam ser gerados a partir da diversidade não existem, pois não há diferentes pontos de vista, experiências e perspectivas em seu desenvolvimento. Dessa maneira, é preciso mudar esse cenário para que a indústria como um todo possa evoluir.

Leia também: 

Tendências das insurtechs e comportamento do cliente são discutidos no Insuretech Connect 2019: https://bit.ly/2nhif9i

Como vender seguros de vida na era digital?: https://bit.ly/2nQBAyD

Executivo compartilha visão do mercado e tendências nas relações dos seguros: https://bit.ly/2mmIJGz

Modelos de distribuição de seguros de saúde e vida devem envolver tecnologia e trabalho consultivo dos profissionais: https://bit.ly/2ndggmy

Comentários

Newsletter



Facebook

Instagram

Twitter

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

A edição de setembro (224) da Revista Cobertura já está disponível. Corre lá no #portalCobertura:… t.co/TZJ0AuwqGN

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Setor de seguros passou a ter mais visibilidade dentro da área econômica do governo, analisa Coriolano   - t.co/YN3c5iOHs7

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

“Precisamos unir forças com o objetivo de capacitar, incentivar e facilitar o acesso dos corretores às novas tecnol… t.co/oOqeivduml

To Top