Auto & Serviços

Preço do seguro auto registra queda, acima de 10%, em um ano

 

Apesar de o preço do seguro auto tradicional cair, volume de contratação segue baixa. Busca por alternativas, mais em conta ao bolso, aumentam, como o seguro Pay Per Use

São Paulo – O preço do seguro auto caiu entre 11% e 27% para cinco modelos de carros neste ano, comparado com os preços de julho de 2019, segundo levantamento na plataforma digital de seguros do Grupo Thinkseg, chamada Bidu. Para as mulheres, a queda de preço varia de 2% a 14% na pesquisa (Ver tabela). Mesmo estando mais barato, o segmento que representa o seguro auto (Fenseg) registra queda do volume de contratações. No intervalo de janeiro a abril deste ano sobre mesmo o período do ano passado, o valor recebido de quem contrata o seguro auto (prêmio) caiu cerca de 1,1 bilhão de reais.

A plataforma digital Bidu analisou os preços dos automóveis Ka, Gol, HB20, Ônix, Polo, todos modelos 2020, nas cinco capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Brasília, para um homem e uma mulher, ambos de 35 anos, casados, que rodam 20 quilômetros por dia e que guardam o carro da garagem.

Um dos fatores da menor contratação de seguro auto em 2020 é a queda das vendas de veículos zero quilômetro que diminuiu 40% neste semestre em relação aos primeiros seis meses de 2019, segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Outro fator é que as pessoas estão postergando contratar apólices de seguro auto, com vigência de um ano. Motivo: há incertezas sobre a retomada da rotina anterior à pandemia. Milhões de pessoas continuam em home office e crianças tendo aulas online. O fato é que a maioria das famílias está se mantendo nas residências, sem viagens programadas.

Por esse motivo, o seguro auto Pay Per Use (Pague pelo Uso), com contratação mensal, mostra alavancagem nas vendas. Esse novo modelo de seguro passou a somar três “players” no fim deste primeiro semestre. Dois deles anunciaram a entrada no setor em junho deste ano. A Thinkseg, pioneira neste modelo no Brasil, tem registrado aumento significativo de contratações. “Atingiu 600% de incremento nas vendas do produto de abril até 20 de julho, comparado aos números do primeiro trimestre deste ano, período em que ainda não havia pandemia no Brasil, diz o CEO do Grupo Thinkseg, Andre Gregori.

No novo seguro Pay Per Use, o motorista de 35 anos, com o mesmo Ônix, CEP na região central de São Paulo, pagaria R﹩ 55,20 de assinatura mensal e R﹩ 0,06 (seis centavos de reais) por cada quilômetro rodado, ou seja, R﹩ 1,20 por cada 20 kms diários. Como o contrato é mensal, a pessoa pode cancelar a qualquer momento o seguro pelo aplicativo. Tudo é online. E a assinatura para carro modelo básico começa a partir de R﹩ 25,00 mensais, mais os kms rodados.

“Mesmo em um cenário de controle do Covid-19, as contratações do Pay Per Use continuarão aumentando porque as pessoas também vão buscar formas de economizar. Elas passaram a se preocupar mais com o controle de gastos e poupança de recursos. Há um segmento de público que prioriza a transparência na hora de pagar. Por meio do aplicativo do Pay Per Use, o motorista vê cada quilômetro rodado e quanto vai pagar por ele”, explica Andre Gregori. “Ainda é preciso considerar que o home office é uma tendência que ganhou força no Brasil. Muitas empresas vão manter parte da equipe trabalhando em casa. Neste cenário, o Pay Per Use é uma boa opção para quem usa o carro aos finais de semana”, completa.

O seguro auto tradicional para o modelo ônix 1.0, ano 2019, apresentava média de preço de R﹩ 2.155,00 no ano passado, em cinco capitais do País (Brasília, Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza). Neste ano, a média de preço do seguro auto para o ônix 1.0, ano 2020, nas mesmas cinco capitais, ficou em R﹩ 1.930,00, ou seja, 10% menor do que no ano passado (Ver tabela)

A redução do preço do seguro auto tradicional, ao longo de um ano, considera alguns fatores de mercado. Entre entre abril e julho deste ano, houve redução de valor dos automóveis analisados, segundo dados da tabela Fipe. Também as seguradoras modificaram alguns serviços ofertados. Agora, é possível encontrar seguro auto com guincho dentro do raio de 100 km, 200 km e 400 km, em vez do raio ilimitado, como no passado. Em alguns casos, nota-se a diminuição de dias para o uso do carro reserva após acidentes. Para facilitar a venda, ainda houve o aumento do prazo de pagamento do preço anual do seguro auto em até 10 ou 12 parcelas sem juros. Mas, é preciso ficar atento a cada condição. Há parcelamento em 10 vezes, com taxa de juro progressiva a partir da quinta parcela.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais informações:

press@thinkseg.com

Sobre a Thinkseg – Startup de seguros (insurtech), criada em 2016, para oferecer produtos personalizados, com aplicação de tecnologia e inteligência artificial. Fechou parceria com a seguradora italiana Generali, de atuação mundial, no início de 2019. A startup Thinkseg, junto com a plataforma de seguros e produtos financeiros Bidu, integram o Grupo Thinkseg, pertencente ao investidor Andre Gregori.

Comentários

Newsletter



Facebook

Twitter

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Estamos ao vivo no YouTube com Sérgio Magalhães, sócio da TASS Brasil, num bate-papo sobre o modelo de negócios e a… t.co/k2oxkipSMT

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Confiança do consumidor aumenta, mas é preciso cautela - t.co/rwEpvbxb0H

Revista Cobertura's Twitter avatar
Revista Cobertura
@RevCobertura

Mapeamento eletrônico de saúde reforça argumentação para Corretores nas vendas do Porto Seguro Saúde - t.co/MVWegmkJEU

To Top